Tribunal de Justiça (Tj-SP) mantém condenação de homem por coação contra advogado da ex-mulher

https://secure.gravatar.com/avatar/a5f4fa9f7863f0c6750da7e713a2a2cb?s=96&d=mm&r=g
Kalel
@Kalel

A 5ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a condenação de um homem por coação no curso do processo, por considerar que sua conduta ultrapassou a ameaça de mal injusto e grave. 

O réu foi acusado pelo uso de grave ameaça contra o advogado de sua ex-mulher, em um processo de execução de alimentos. A época dos fatos, como se depreende da sentença, o advogado, com o oficial de justiça, foram cumprir o mandado de remoção e intimação em face do apelante

Após ter se negado a entregar a motocicleta que estava em seu nome, Renato teria ameaçado o advogado, dizendo que se o veículo fosse retirado “iria matar muita gente”. Frente a ameaça, e com receio de que o réu cumprisse o mal prometido, o advogado desistiu da apreensão do bem e foi embora. 

Em primeira instância, o réu foi condenado a um ano e dois meses de reclusão, em regime aberto, tendo sido concedida a suspensão do cumprimento da pena privativa de liberdade pelo período de dois anos com imposição de prestação de serviços à comunidade, no primeiro ano do sursis – suspensão condicional da pena. 

Segunda instância e decisão

O desembargador Damião Cogan, relator, afirmou que os depoimentos do advogado e oficial de justiça foram “coerentes e uníssonas entre si” e que a “negativa de autoria do apelante restou isolada no conjunto probatório amealhado nos autos que revelou de forma incontestável que o suplicante praticou o crime de coação no curso do processo”

Condenação coação advogado
Foto reprodução: migalhas.com.br

Pelo o que se depreende do acórdão, para o magistrado, “não parece razoável” que ambos, o advogado e oficial de justiça, agissem para incriminar um inocente, imputando-lhe o grave delito de ameaça de morte, sem motivo pessoal para o ato. E finalizou dizendo que “relataram a mesma dinâmica dos fatos”

“Assim, evidente que [sic] RENATO agiu com a clara intenção de favorecer-se não autorizando a entrega da motocicleta, usando de grave ameaça contra o Advogado da parte exequente, Dr. Manoel, para intimidá-lo a desistir da apreensão do bem.” 

Além disso, o relator manteve a condenação nos termos da sentença, pois “era medida de rigor”, refutando a tese de absolvição da pena por insuficiência de provas ou para descaracterizar a conduta para o crime de ameaça. Não realizou alterações na dosimetria penal, permanecendo o decidido na sentença de origem. 

“Isso porque o bem jurídico protegido no crime de ameaça é a liberdade psíquica da vítima, além da liberdade física, que poderá ser atingida em razão do fundado temor de que venha a sofrer mal injusto e grave. E no caso dos presentes autos a conduta do apelante ultrapassou a ameaça de mal injusto e grave, incutindo-lhe fundado temor, não reclamando sua caracterização a produção de qualquer resultado material efetivo.”

Clique aqui para ler o acórdão

Apelação Criminal: 0011264-59.2017.8.26.0344

Fonte: Conjur

Gostou do nosso artigo?

Compartilhem com amigos e familiares a notícia. Não deixem de conferir o recente artigo de nosso site, que responde a pergunta: pagar imposto de imóvel dá direito a usucapião? Acessem, também, o site O contábil para dicas de como ter uma boa saúde financeira e informações da área. 

Em direito é um portal noticioso e  sobre assuntos jurídicos

Um website do grupo Mediaz WS